EDITORIAL TRENDS

Brincos únicos e desiguais: liberdade, individualidade e personalidade nas orelhas

A ideia de usar brinco em uma só orelha ou de misturar pares não é novidade. No entanto, há algumas temporadas, as passarelas veem resgatando essa tendência e as ruas têm mostrado que ela já virou uma ‘moda’, caindo no gosto do consumidor novamente.

Diferente dos outros ciclos em que o uso de brincos únicos ou desiguais refletia atitude e ousadia (logo quando surgiu) e irreverência e diversão (no início da pandemia da Covid-19), agora simboliza a individualização. Mais do que nunca, o consumidor quer se sentir livre para personalizar o seu look e isso, claro, inclui as peças de joalheria.

Esse tema mostra que tanto estamos nos desfazendo do conceito do par, dos idênticos, quanto estamos preocupados com o reuso, afinal, não é época de desperdícios. “Se eu perder um pé de brinco, tenho que deixar o outro esquecido no porta-joias? De jeito nenhum”.

Algumas joalherias, inclusive nacionais, entenderam que o cliente precisa ter mais liberdade nas suas escolhas e mudaram seu formato de comercialização. Elas, por exemplo, já vendem o pé único de brinco. Fica à critério do consumidor se ele vai usar essa joia sozinha ou se vai escolher outra diferente para fazer a própria composição.

Além disto, é importante considerar que hoje é comum as pessoas terem mais de um furo na mesma orelha e isso reforça ainda mais a vontade de ‘desenhá-la’ como quiserem, sem se preocupar com a questão dos pares.